Categorias
Dublin Geral

First month again

Here I’m again, my second first month in Dublin. The first time as a student, eight months living in Dublin was a great experience. Broke some concepts and rebuilt me again, an exchange after 30 years was a great experience. One day I told to a friend “we don’t travel abroad, we travel internally in ourselves”. Get out of the comfort zone make us look for ourselves in a pure state, we are abroad without family, friends and masks that we were building during years trying to be someone that we want to be, but sometimes not exactly who we are.

Now it’s a new time, After two months waiting for my visa, I  started to work in a digital agency Inspiration Marketing. Now I already know the city, understand how the city works, how the seasons works here, we are like old friends. But now I have a different feeling, the relationship between Dublin and me have another meaning. I have the possibility to make real plans, with a job it’s possible to make plans for a long time.

Every day wake up at 6:45 AM, prepare my lunch, take the DART to my job, work the whole day and back top home. The classes are substituted for normal work days, but I still learn the routine with native speakers are totally different than students. My team is so patient they know “I’m not a native speaker.”

During the first days; I figured out that I didn’t see so much the city like when was a student, the time for entertainment it’s more restrict, but It’s not so bad I have more time to planning my trips and my routine in Ireland.

It’s just a begin, I’m happy about everything and waiting the whole new experiences that will come.

Categorias
Eventos Geral

WordCamp Europa

No final de junho entre os dias 24 e 26 acontece o WordCamp Europa o principal WordCamp na região com mais de 2 mil participantes esse ano o evento acontece em Viena capital da Áustria. Esse será o meu segundo WordCamp na europa já que meu primeiro foi em Londres logo nos primeiros meses que cheguei aqui.

Foi legal ver outras comunidades e notar que a comunidade brasileira é bem forte e com um alto nível técnico comparada as palestras que eu vi. A única diferença que eu ví no WordCamp Londres é o números de empresas que investem no evento. Isso deixa mais fácil você montar uma super estrutura com: legendas em tempo real, quatro auditórios, buffet ultra organizado com opções vegana, happy hour. Mas esse detalhe me da mais orgulho porque conseguimos fazer WordCamps de qualidade em diferentes estados.

Mas vamos falar o que interessa, logo quando cheguei fiquei de olho nos WordCamps selecionei alguns que poderia participar, fiz um levantamento sobre custo, grade e país que queria muito visitar. Não sei se todo mundo sabe mas estou passando por uma fase de estudante/mochileiro então meus recursos são limitados. Não posso sair viajando toda a europa então a escolha tem que ser feita a dedo.

É claro que o principal evento não poderia ficar de fora dessa lista. Primeira barreira foi a inscrição, estamos falando do principal evento  da Europa, ou seja, as inscrições acabaram em segundos. Entrei em contato com a organização, contei toda a história que sempre participo e palestro em WordCamps, ajudei na organização do WordCamp São Paulo por 3 anos e gostaria muito participar. A resposta foi melhor que esperava fui convidado para participar como voluntário.

Agora é só aguardar e fazer as malas, já foram passadas as primeiras instruções precisamos chegar um dias antes para alinhar as informações nada diferente que fazemos no Brasil, a única diferença é a quantidade de participantes de diferentes países.

O WordCamp Europa serão 3 dias de muito conhecimento com palestras divididas nos seguintes temas comunidade, desenvolvimento, negócios, design e conteúdo. Nos dias 24 e 25 serão o dia dedicado a palestras no dia 26 é o contributor Day, um dia reservado para contribuição com a plataforma.

Agenda Completa aqui: https://2016.europe.wordcamp.org/schedule/

Quer acompanhar o evento? Ainda restam vagas para assistir o LiveStreaming:https://2016.europe.wordcamp.org/tickets/

Vou postar coisas no meu twitter(@fellyph) e snapchat(fellyphc) no dia do evento só acompanhar lá.

Categorias
Geral Tutoriais Web

Pensando em React

Um dos pontos importantes na hora de aprender React é trabalhar no modo que ele espera a “componentização” do conteúdo, esse processo inicia a partir da construção dos mocks.

Passo 1 – Iniciando como um mock

Imagine que você tem a seguinte tela:

Como criaríamos componentes com esse mock?

No caso acima temos uma coleção de portfólio, um componente job, com: foto, descrição, url, empresa, Design, e tecnologias. Vamos considerar que toda esta coleção está em um JSON:

[{"nome": "job 1", "url": "http://fellyph.com.br/", "empresa": "Empresa 1", "designer": "Artista 1", "tecnologias": ["HTML", "CSS", "JS"]},
{"nome": "job 2", "url": "http://fellyph.com.br/", "empresa": "Empresa 2", "designer": "Artista 2", "tecnologias": ["HTML", "CSS", "JS"]},
{"nome": "job 3", "url": "http://fellyph.com.br/", "empresa": "Empresa 3", "designer": "Artista 3", "tecnologias": ["HTML", "CSS", "JS"]},
{"nome": "job 4", "url": "http://fellyph.com.br/", "empresa": "Empresa 4", "designer": "Artista 4", "tecnologias": ["HTML", "CSS", "JS"]},
{"nome": "job 5", "url": "http://fellyph.com.br/", "empresa": "Empresa 5", "designer": "Artista 5", "tecnologias": ["HTML", "CSS", "JS"]},
{"nome": "job 6", "url": "http://fellyph.com.br/", "empresa": "Empresa 6", "designer": "Artista 6", "tecnologias": ["HTML", "CSS", "JS"]}]

E o nosso componente básico é o seguinte:

Seguindo essa estrutura inicialmente nosso componentes com suas hierarquias serão os seguintes:

  • PortifolioList
    • PortifolioItem

Por que falamos em hierarquias? No caso podemos ter componentes que carregam outros componentes, mas isso não impede de outros elementos carregarem o mesmo componente.

Passo 2 – Construindo uma versão estática com React

No post anterior, trabalhamos com “React.createClass” nesse tutorial vamos utilizar um cara chamado “React.Component” ele trabalha de uma forma diferente com ele criamos um classe que estendem de React.Component lembrando que para trabalhar com classes precisamos do babel para rodar o nosso ECMAScript 2015 e o React. Vamos começar pelo item mais básico o PortfolioItem, primeiramente considerando o mock que construímos o seguinte HTML:

<article class="job">
  <h4 class="title">Blog elo7</h4>
  <ul class="fetures">
    <li><a href="#" target="_blank" alt="site">linkdosite.com.br</a></li>
    <li>Empresa: Elo7</li>
    <li>Tecnologias: HTML5, CSS3, WordPress</li>
  </ul>
</article>

Agora vamos passar o nosso HTML para o um componente:

class PortfolioItem extends React.Component {
  render() {
    return (
      <article className="job">
        <h4 className="title">Blog elo7</h4>
        <ul className="fetures">
          <li><a href="#" target="_blank" alt="site">linkdosite.com.br</a></li>
          <li>Empresa: Elo7</li>
          <li>Tecnologias: HTML5, CSS3, WordPress</li>
        </ul>
      </article>
    )
  }
}

Apenas adicionei o PortfolioItem com HTML estático só para mostrar como funciona o React.Component, notem que trocamos a propriedade class por className isso é necessário para não termos conflitos com a palavra reservada class, mas as informações estão estáticas precisamos carregar as informações dinamicamente, a cada chamada do componente ele precisa ter uma informação diferente, então vamos lá:

class PortfolioItem extends React.Component {
  render() {
    return (
      <article class="job">
        <h4 class="title">{this.props.nome}}</h4>
        <ul class="fetures">
          <li><a href="#" target="_blank" alt="site">{this.props.site}</a></li>
          <li>Empresa: {this.props.empresa}</li>
          <li>Tecnologias: {this.props.tecnologias}</li>
        </ul>
      </article>
    )
  }
}

No código acima utilizamos o “{}” para especificar que é uma variável dinâmica this.props. acessa os parâmetros que foram passado para o componente, nesse caso chamamos o componente da seguinte forma:

<PortfolioItem nome={job.nome} site={job.site} empresa={job.empresa} tecnologias={job.tecnologias} />

Assim o atributo nome passado no componente acessamos dentro do componente {this.props.nome}, nosso exemplo completo com PortfolioItem e PortfolioList fica da seguinte forma:

class PortfolioItem extends React.Component {
  render() {
    return (
      <article class="job">
        <h4 class="title">{this.props.nome}}</h4>
        <ul class="fetures">
          <li><a href="#" target="_blank" alt="site">{this.props.site}</a></li>
          <li>Empresa: {this.props.empresa}</li>
          <li>Tecnologias: {this.props.tecnologias}</li>
        </ul>
      </article>
    )
  }
}

class PortfolioList extends React.Component {
  render() {
    const jobsList = [],
          data = [
          {"nome": "job 1", "site": "http://fellyph.com.br/", "empresa": "Empresa 1", "tecnologias": ["HTML", "CSS", "JS"]},
          {"nome": "job 2", "site": "http://fellyph.com.br/", "empresa": "Empresa 2", "tecnologias": ["HTML", "CSS", "JS"]},
          {"nome": "job 3", "site": "http://fellyph.com.br/", "empresa": "Empresa 3", "tecnologias": ["HTML", "CSS", "JS"]},
          {"nome": "job 4", "site": "http://fellyph.com.br/", "empresa": "Empresa 4", "tecnologias": ["HTML", "CSS", "JS"]}];

    data.forEach( function(job) {
      jobsList.push(<PortfolioItem nome={job.nome} site={job.site} empresa={job.empresa} tecnologias={job.tecnologias} />);
    });

    return (
      <div className="jobs">
        {jobsList}
      </div>
    );
  }
}

ReactDOM.render(
  <PortfolioList />, document.getElementById('portfolio')
);

No código acima adicionei o JSON como uma constante do nosso componente o ideal que essas dados venha de alguma API. Na sequência leio o JSON e crio um array com componentes PortfolioItem e no render eu apenas passo o array que montamos {jobsList}. Por fim chamamos o ReactDOM.render passando o PortfolioList como o elemento que iremos adicionar o componente.

O nosso HTML fica da seguinte forma:

<!DOCTYPE html>
<html>
  <head>
    <meta charset="UTF-8" />
    <title>Pensando em React</title>
  </head>
  <body>
    <h3>Portfolio</h3>
    <div id="portfolio"></div>
    <script src="https://fb.me/react-15.1.0.js"></script>
    <script src="https://fb.me/react-dom-15.1.0.js"></script>
    <script src="https://cdnjs.cloudflare.com/ajax/libs/babel-core/5.8.23/browser.min.js"></script>
    <script type="text/babel" src="src/js/components.js"></script>
  </body>
</html>

Podemos organizar melhor o nosso componente PortfolioList, podemos adicionar funções para organizar o seu comportamento, como no código abaixo:

class PortfolioList extends React.Component {
  _getJobs () {
    const var jobsList = [
      {"nome": "job 1", "site": "http://fellyph.com.br/", "empresa": "Empresa 1", "tecnologias": ["HTML", "CSS", "JS"]},
      {"nome": "job 2", "site": "http://fellyph.com.br/", "empresa": "Empresa 2", "tecnologias": ["HTML", "CSS", "JS"]},
      {"nome": "job 3", "site": "http://fellyph.com.br/", "empresa": "Empresa 3", "tecnologias": ["HTML", "CSS", "JS"]},
      {"nome": "job 4", "site": "http://fellyph.com.br/", "empresa": "Empresa 4", "tecnologias": ["HTML", "CSS", "JS"]}
    ];

    return jobsList.map((job) => {
      return (<PortfolioItem nome={job.nome} site={job.site} empresa={job.empresa} tecnologias={job.tecnologias} />);
    })
  }

  render() {
    const jobs = this._getJobs();
    return (
      <h3>Portfolio</h3>
      <div className="jobs">
        {jobs}
      </div>
    )
  }
}

Na atualização do componente adicionamos uma função “_getJobs” responsável para carregar os trabalhos, separamos a lógica de ler os dados da lógica de renderizar os dados. Também usei alguns recursos novos do ECMAScript2015.

Podemos evoluir esse post, mas pretendo ir evoluindo estes exemplos em outros posts, por isso adicionei um repositório no git: https://github.com/fellyph/react-tutorial

Categorias
Geral

Um mês de Dublin

E lá se vão 30 dias após minha chegada em Dublin, tempo passa muito rápido e ao mesmo tempo devagar. Rápido parece que pouca coisa andou por aqui e devagar parece que faz muito tempo que não vejo os meus amigos. Vou pontuar algumas coisas sobre a cidade e a rotina em Dublin. Primeira mês foi bem movimentado: primeira visão sobre a cidade, criando uma rotina, Saint Patrick’s Day, procurando apartamento, tentando abrir conta no banco, inglês e Brasileiros.

Primeira impressões

Dublin é uma ótima cidade com um clima bem louco. Eu achava que São Paulo era louco, mas aqui é bem mais. Aqui é possível fazer sol, chover e nevar ao mesmo dia. A cidade é pequena, comparada a São Paulo. Por exemplo: nos primeiros 15 dias fiz todos os meus compromissos andando. A cidade é plana, assim fica fácil de andar nas primeiras semanas ficava na região norte a 3.5km da minha escola ia andando todos os dias (tive sorte de não chover nesse período). Sobre a culinária, ainda não tive tempo de desfrutar. De volta a vida de estudante, estou fazendo todas as refeições em casa. Mas olhando os preços nos restaurantes, vão de 5 a 20 euros dependendo do lugar, sempre olho os preços e penso com 20 euros posso fazer 6 refeições boas refeições em casa, sem precisar comer porcaria.

Saint Patrick’s Day

É o principal evento, a cidade para fica cheia de turistas e boa parte da população vai ver a Parada que acontece pelas ruas da cidade. As escolas, universidades, polícia, bombeiro e todos os grupos possíveis, desfilam pelas cidades. O desfile vai até o final da tarde e após a parada, todos vão para os pubs beber – foi minha primeira experiência com pubs na Irlanda sai com um grupo de amigos Brasileiros eles decidiram ir na Living Room fica em Dublin 1, muito rock e cerveja.

A parte mais engraçada quando começava uma corrida de cavalo no telão a música parava e todos olhavam aficionados para o telão, dai descobri o primeiro costumo do Irlandês: eles adoram apostar. Depois dessa experiência, sai para andar na região do Temple Bar. Muitos jovens bêbados, o que no começo é engraçado, mas depois fica tudo a mesma coisa e perde a graça quando está sóbrio.

Quando decidi vir para Irlanda meus amigos falaram cara você precisa ir na semana antes do Saint Patrick’s Day e realmente é uma experiência única. Foi legal ver toda a festa, mas existe o outro lado: por ser uma cidade pequena, durante esse período é a pior época para se encontrar apartamento. Mas por que?  Além dos turistas que visitam a cidade, os intercambistas tem 8 meses de visto então ou eles tentam voltar depois do Saint Patrick’s ou chegar antes.

Isso cria uma bolha imobiliária de duas semanas vou falar um pouco na sequência.

Procurando apartamento

Na primeira semana até fiquei um pouco apreensivo em achar um apartamento, todos os anúncios que encontrei tinham um preço acima do que estava pesquisando meses antes, todas as visitas em apartamentos quando chegava no local tinham fila de interessados, as vezes parecia seleção de emprego em multinacional. E não é um problema só para estrangeiros como um vídeo do Foil Arms ang Hog brinca:

Depois muita procura, eu encontrei o apartamento!  Acompanhando os grupos com duas semanas depois as coisas “normalizaram”.

Mas claro tem um lado bom aqui não tem todo aquela questão de fiador ou seguro fiança comparado ao Brasil, você apenas precisa de um depósito de segurança e contrato de um ano ou 6 meses, devido a alta procura é super difícil de encontrar contratos de 6 meses atualmente.

Algumas dicas:

  • Venha dois mês antes do Saint Patrick’s ou um mês depois.
  • Inverno pode ser uma época mais fácil para achar apê, mas pode ser uma época mais difícil para adaptação se você não está acostumado com frio.
  • Pesquise nos grupos de “Classificados Dublin Imóveis” e “The Ideal Flatmate Dublin” no Facebook ou Daft.ie.
  • Tenha paciência porque essa será uma decisão que terá um grande impacto em sua viagem.

Abrindo conta no banco

Nossa pra mim está sendo o maior problema até agora, como funciona isso: 

  1. Você chega na Irlanda para estudar
  2. Para tirar o visto você precisa comprovar que tem os $3.000 euros
  3. Cada escola tem parceria com um banco para abri conta para estudantes, ela faz uma carta comprovando seu endereço
  4. Você leva a carta no banco e abre a conta
  5. Com a conta e os três mil euros você tira o visto e garante a permanência por 8 meses e consegue trabalhar 20h semanais.

Mas o banco que tem parceria o AIB com a escola ATC passou a não aceita a carta da escola, ou seja, você não consegue fazer nada. Estou a um mês esperando uma solução da escola + banco. Se uma conta no banco além de não tirar o visto e só ter permissão de passar 3 meses aqui, não posso ter um celular de conta, contratar internet para meu apartamento, muitos estabelecimentos só aceitam pagamento em débito em conta. O governo tentando resolver o problema mudou as regras a duas semanas atrás, mas a burocracia é tenta que escola e banco não chegaram a uma solução, não vejo o esforço da escola em resolver e o banco quer ditar suas regras. Tenho vários eventos marcados e amigos para visitar a instrução da imigração é que eu aguarde a resolução desse problema antes de sair do país. Sei que pessoas estão viajando sem visto mas não quero correr esse risco.  Agora é paciência e aguardar, o vídeo abaixo fala um pouco sobre o problema dos AIB especificamente.

Inglês e Português

Estou a um mês aqui juntando as horas que falei português é quase a mesma que falei inglês. Ainda não tive uma imersão no idioma na região central e nas escolas os brasileiros dominam. Inicialmente tentei alugar apartamentos com gringos, mas o problema da semana do Saint Patrick’s poderia escolher muito e a localização do apartamento foi decisivo na escolha estou a 10 min da escola.

Falando em escola a ATC, prometia um mix de nacionalidade um dos fatores que decidir estudar na escola, chegando lá apenas 90% da sala são brasileiros e todos foram em busca do mesmo diferencial. Um problema bem grave que você precisa decidir 8 meses da sua vida sem conhecer a escola. Quando chega na escola você tem duas opções: ou aceitar, ou pagar mais mil euros para solucionar o problema mudando de turno. O problema que com esse valor eu entraria numa escola melhor que escolhi, ou economizaria mais optado por uma mais barata que apresentava as mesmas atividades extras. Infelizmente se a escola promete um mix de nacionalidade não acredite, primeiro a escola não pode barrar um estudante por nacionalidade, se entrarem 8 estudantes brasileiros no mesmo nível na mesma época a escola tem que aceitar.

Outro ponto importante escola bem sua agência de viagens; muitas tentam resolver o problema se você não está satisfeito com a escola ou algo do tipo, a exemplo da minha, só tenho respostas prontas que a mais de um mês não ajudaram em nada. Boa parte das coisas estou resolvendo sozinho, então, o papel da agência(Global Study) nesse momento é zero. Por isso, procure saber mais sobre sua escola e até se ela tem escritório na cidade, pois isso também pode ajudar.

Mas esse problema do idioma estou resolvendo participando dos meetups e eventos, sempre o inglês é predominante e nos meetups de DEV você irá escutar todos os sotaques. Se você é da área de front-end alguns grupos legais que participo:

Meetup AWS User Group
Node.JS Dublin User Group
Categorias
Dublin Geral

Why Dublin?

No ano passado decidi dar um tempo em São Paulo, queríamos um lugar para incrementar o inglês e ter uma experiência diferente. Pesquisei bastante com minha esposa vimos vários “vlogs” sobre pessoas que moram em outros países, Canadá, EUA, Austrália e Dublin.

Canadá possuía os pontos positivos em qualidade do ensino, facilidade de uma possível cidadania, falaram muito bem do povo canadense, possuem ótimas cidades para morar. Os contras eram o clima sempre frio, as dificuldades de trabalhar durante os estudos (você pode trabalhar 20 horas em categorias específicas), tempo para tirar o visto de estudante, valor que você precisa levar para garantir sua estadia. Em Dublin por exemplo, você precisa de de 3.000 euros para tirar o visto de estudante por 8 meses, no Canadá o mesmo período preciso comprovar 6.700 dólares canadense, na época que pesquisamos o dólar canadense operava acima de 3 reais. Então hoje isso seria Canadá: (6.700 * 2.8 = R$ 18.760) e Dublin(3.000 * 4.07 = R$ 12.210).

EUA ficou em terceiro, mas a sairia muito caro passar 8 meses sem trabalhar. O custo de vida seria mais alto que nas duas primeiras opções e existem muitas barreiras para se conseguir um trabalho lá. Não é impossível conseguir algo legalmente, mas exigiria um esforço maior.

Austrália tem ótimo clima, facilidade de arrumar trabalho, todos amigos que foram pra lá tem seu emprego e estão super felizes. O contra é a super distância entre o Brasil.

Então depois de alguns meses recolhendo informações e fazendo conta com o nosso orçamento a cidade escolhida foi Dublin, nunca vou esquecer a pergunta que meu antigo gestor do elo7 fez você vai passar 8 meses num lugar que nunca foi, depois de muita pesquisa estava seguro com a decisão mesmo nunca indo na cidade antes.

Why Dublin?

Pontos negativos

Primeiro vamos começar inicialmente pelos contras, clima: chove praticamente metade do ano (um sinal disso foi minha professora comemorando que fazem 11 dias que não chove. Isso mesmo, 11 dias). Inverno fica entre -3º e 3º e no verão fica na casa dos 15º-19º. Claro que inverno possuem dias que ficam abaixo dos -3º e verão tendo dias que ficam acima dos 19º, por exemplo, agora é começo da primavera na Irlanda a temperatura fica entre 6º e 11º(já estou me acostumando).

Além do clima, as pessoas reclamavam muito sobre a qualidade do ensino, pois antes de 2014 estudar inglês na Irlanda era uma máquina de visto: cada esquina tinha uma escola e com o visto de estudante, na época, você poderia trabalhar 40 horas por semana, uma jornada de trabalho normal. Muitos alunos se matriculavam para ter apenas o visto. Para as escolas mal intencionadas, isso era ótimo, pois ganhavam pra não dar aula para mais da metade dos alunos.

O governo “caiu em cima” mudou a regra para o visto de estudante, agora só é possível trabalhar 20 horas por semana a fiscalização está mais intensa sobre o desempenho dos alunos. Na parte das escolas muitas foram fechadas, foram criadas regras para as escolas melhorarem a qualidade do ensino e dado um prazo para elas se adequarem, várias que não atingiram um padrão de qualidade aceitável e foram fechadas isso deu dor de cabeça em muita gente que estava estudando aqui no dia seguinte você descobre que sua escola foi fechada, conheço gente que passou por isso, mas o governo realocou essa galera.

Brasileiros

Outro tema bastante comentado é a presença de brasileiros na cidade e a resposta é SIM, tem muito brasileiro andando pelo centro da cidade e é quase impossível andar uma quadra sem escutar alguém falando português. A sua grande maioria se concentra próximo as escolas, na região central da cidade, aumentando ainda mais a sensação da cidade ser tomadas por brasileiros. Nas regiões periféricas já é diferente a situação.

Em 2015 a Irlanda recebeu 96 mil estudantes sendo 16% deles brasileiros. É o país número um em vistos de estudantes na Irlanda, ou seja, mais de 15 mil brasileiros desembarcam por ano na Irlanda. Mas Fellyph porque reclamar disso? Você vem estudar inglês, você precisa ter uma vivência no idioma!

Sotaque

Por último, o sotaque irlandês os primeiros dias você cruza com algumas pessoas que tem que forçar a entender o que elas falam, mas é igual a qualquer lugar do mundo, por exemplo, no Brasil tem gente que você pergunta se ela realmente fala português. Mas uma coisa que notei na minha escola foi que os professores tem sotaque quase zero. Conversando com outros colegas, eles também não sofrem, acho que eles treinam para tirar vícios locais. O verdadeiro problema é na rua, mas não é uma regra geral, pois 80% eu entendo bem. O vídeo abaixo é de um grupo local que brinca com o sotaque da região:

Pontos Positivos

Vamos falar do lado bom da coisa, primeiro você está na Europa: o velho mundo é fantástico, a riqueza da cultura foi um fator de desempate com outras cidades, além da segurança e arquitetura local. E o melhor de tudo que viajar dentro da Europa é muito fácil, pois existem várias companhias de baixo custo. Na primeira semana comprei uma passagem para Londres (vou para o WordCamp London) por menos de 40 euros. Promoções como essa são fáceis de achar.

Custos

Segundo, o custo foi quase 40% menor que se fosse para o canadá, por exemplo. Terceiro a facilidade do visto: ele é feito depois que você chega na Irlanda e você só precisa de uma carta da escola, seguro saúde do período que você vai ficar, 3.000 euros – esse dinheiro você irá gastar para sobreviver aqui, ele é seu, o governo só precisa saber se você não veio na louca – (o ideal é trazer mais que esse valor), uma comprovação da sua passagem de volta. Quarto ponto positivo é o sistema de transporte público que é muito bom, mas dependendo da região que você more da pra fazer tudo andando. Se comparado a São Paulo, a cidade é bem pequena, possui 500 mil habitantes.

Silicon Docks

E por último, um fator bem particular pra mim é que em Dublin existe o Silicon Docks uma região que abriga várias empresas de tecnologia como Amazon, Google, Facebook, Linkedin, AirBnb, Etsy, Gilt, Zynga entre outras empresas. Isso cria um ecossistema bem dinâmico pra que é da área. Só em ter a possibilidade de estar em contato com essas empresas, participando de eventos com várias experiências de empresas desse porte, é algo bem válido. Abaixo uma imagem de algumas empresas e institutos de tecnologia que estão em Dublin.

Esses foram os principais motivos que me levaram a escolher Dublin. São pontos bem pessoais. Isso não é uma regra que não se aplica a todo mundo. Já se passaram duas semanas aqui estou curtindo bastante a cidade, até agora valeu a pena toda pesquisa pré se encaixou perfeitamente no que estou vivendo.