5 coisas que aprendi no meu primeiro ano de trabalho na Irlanda

Patricamente a um ano atrás eu consegui meu visto de trabalho na Irlanda, foi um primeiro passo para um sonho muito maior. Após um ano trabalhando na Inspiration Marketing estou pronto para um salto muito maior. Após uma ano completado decidi procurar um novo desafio, pensei bastante sobre essa decisão não é fácil abrir mão de um emprego estável para sair na busca de um novo desafio. Mas enfim estou aqui longe de muita gente que amo, não me sinto confortável em me estabilizar em algo que não esteja 100% feliz.

Meio útopico essa história de trabalho que te dá 100% de realização, mas todo trabalho tem seus dias bons e ruins. Mas no geral um trampo OK para mim que estou fora do meu pais longe de todos não é OK, além do mais estou no mercado de trabalho a praticamente 10 anos. Preciso de um significado em toda essa jornada.

Voltar para o meio de agência digitais foi uma aposta segura trabalhar em um ambiente que já vivi durante 5 anos. Viver isso em um outro país foi um grande aprendizado, identificar as diferenças culturais em um mesmo ambiente e similaridades isso é muito louco. Esse primeiro passo ajudou a definir meus objetivos daqui para frente na Europa.

Aqui vai algumas lições que aprendi nesse primeiro ano:

Muda o país e continuam os problemas

Mudar de país não significa que você mudará sua carreira em 360 graus. Os problemas serão os mesmo de cada área com um particularidade daquele país. Exemplo as agências digitais tem os mesmo problemas referente a prioridades, entrega de um produto com resultado real. O que significa, as agências em alguns casos trabalha por entrega e não resultado. E muitas vezes a entrega é o que o cliente “quer” e não o que “ele precisa”, exemplo um site é feito para os consumidores e não para quem paga pelo projeto. Alguns momentos você vai escutar “faz isso pq o cliente quer assim” você tem as ferramentas para provar que isso não é a melhor solução mas faz para finalizar o projeto, isso eu escutei muito no passado mas isso é o que a agência precisa fazer para manter as contas em dia.

O feito é o bem feito

Isso não é uma regra geral mas notei isso trabalhando um ano aqui, na minha experiência a prioridade é entregar a qualidade do que foi feito é algo secundário. O pessoal aqui é bem pontual nos horários e nas entregas isso é um ponto positivo, mas não tem aquele feeling que o Brasileiro tem quando termina algo que fala pra si mesmo “acho que dá pra melhorar isso aqui”.

Objetividade

Isso é um ponto positivo, mercado é bem objetivo se está bom está bom senão está bom, eles vão falar. Muitas vezes num cenário brasileiro as pessoas dão uma volta gigante para criticar ou não são claras 100% na suas avaliações. As reuniões são bem objetivas. Uma vez por mês eu sempre organizava uma palestra técnica dentro da empresa, criava a apresentação explicando a tecnologia, vantagens e porque usar. A galera sempre ficava ansiosa para ver o resultado final.

Irlandeses são legais

Apesar de toda objetividade, eles são muito legais sempre perguntando como foi o seu final de semana, ajudando você em algo. Quando cheguei na Irlanda pela segunda vez para trabalhar não tinha muitos amigos e minha vida social era o trabalho, antes era a escola falava muito mais. No trabalho tinha um daily e depois era mão na massa. Praticamente no dia falava inglês 10 min, um dia eu contei para um workmate que sentia falta de falar mais isso tava me atrapalhando no inglês achava que meu inglês tava piorando, Então meus colegas de trabalho falaram vamos fazer assim todo dia a gente para 20 min para tomar um café e conversar sobre os projetos da casa. Isso me ajudou bastante nos primeiros meses. Nos happy hours da vida claro que não poderia ser em um lugar diferente que um Pub. Sempre era um momento que eu ouvia mais sobre cada um e entendia mais sobre sua cultura, seus hábitos e como foi o desenvolvimento social daquele grupo.

Recomeço

Apesar de ter uma longa experiência profissinal aqui eu tive que provar muita coisa outra vez você se torna uma aposta, as referências que você tem no brazil são nulas. É um recomeço você se adapta a um novo dia a dia de trabalho, a um novo idioma e aos poucos trás suas experiências para sua rotina atual. Uma coisa que era comum no meu antigo trabalho no Brasil era os techtalks comecei a organizar no meu trabalho aqui na irlanda isso foi legal proporcionar a troca de conhecimento dentro da empresa. No final os techtalks viravam um brainstorm para novos produtos. Fora do trabalho também me mexi comecei a frequentar meetups e coder dojo ensianando programação para crianças. Dei minha segunda palestra aqui na Europa no WordCamp Dublin. No final de tudo foi um ano incrível que venha 2018!

Anúncios

Deixe uma resposta

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.