Onde estão os profissionais de Flash ? – Parte 2

No começo do ano comecei uma discussão “Onde estão os profissionais de Flash?”, nessa época sobravam vagas para profissionais de Flash. E após essa tormenta o Adobe X Apple as vagas ainda estão sobrando. Recentemente entrei no grupo @asdevs – http://as3devs.com.br/sobre-o-grupo/ e quase toda semana tem alguém procurando alguém de Flash. Mesmo com a onda “Mas o Flash não abre no iPad ou iPhone” existe uma demanda na produção de conteúdo Flash.

Depois de toda turbulência as empresas começaram a ver que existe algo maior que a falta de suporte a um aparelho específico, não existe apenas mobile. Claro é um bom mercado, essa coisa vende e ainda para a classe A e B. O mercado mobile é algo crescente mas que ainda detém uma pequena fatia, antes disso tem todo um mundo usuários de maquinas desktop.

O iPad não dá suporte ao Flash(tem um suporte não oficial) mas daqui a 2 anos ele quer continuar ainda não dando suporte? Fazer previsões daqui a dois anos é algo que nunca deu certo em nossa área. Então vamos falar de agora: O youtube acenou que html5 ainda não tem suporte suficiente pra o migrar o seu player de flash para html, na semana passada a Apple voltou atrás com decisão de veto de aplicações que não eram puramente feitas em Objective C.

E onde estão os profissionais de Flash? Então me voltei para quem está na fase de formação ou recém formados. Conversei uma dois ex-alunos:

Primeiro eu conversei com Ibson Lima – Freelancer Recife @ibsonlima

Você trabalha com flash ?
Ibson Lima: Agora não, mais já trabalhei

Porque não trabalha mais ?
Ibson Lima: Na verdade porque os projetos que to envolvido, não requer flash, mais acho que nem tudo tem que ser feito em flash, mais claro acho que tem coisas que fica massa, mais tem gente que quer usar flash pra ir no banheiro

Você sabia que nas agências de recife existe média uma vaga disponível para profissional de flash ?
Ibson Lima: Sim porque sempre vejo teu blog… kkkkkkk

Segunda contribuição foi de Orrico Delgado – Estudante – @orricodelgado

Você trabalha já com flash ?
Orrico Delgado: Ainda não trabalho pois ainda estudo na área , e não apareceu uma oportunidade de estágio ou trabalho.”

Mas no caso você tem interesse em trabalhar com Flash ?
Orrico Delgado: Sim ! Tudo na área de computação gráfica eu tenho interesse…

Você já sabe a área que pretende se especializar?
Orrico Delgado: Tenho duvidas ainda em edição de video, animação 3d ou 2D (flash)… Gosto muito de cada um

Em sua formação técnica, você tem alguma informação sobre mercado atual?
Orrico Delgado: Sinceramente não.

Duas contribuições são casos diferentes Ibson já trabalhou com Flash mas por conta da sua demanda teve que se especializar em outra área. A segunda contribuição do Orrico ele está estudando mas sua formação tem pouca informação de mercado. Um problema que vi de cara conversando com Orrico é a distância entre que emprega e que forma mão de obra. Acho que uma pequena solução para isso é a aproximação entre essas duas partes.

Mercado empregador precisa aproximar de quem forma a mão de obra e dizer: Eu preciso de um profissional com um perfil x. Um problema bastante comum até em outras áreas é, o estudante tem uma formação e o mercado exige outro perfil. Assim cabe ao profissional  recém formado correr atrás de atender as necessidades do mercado.

Outro problema que acontece a longo prazo, funciona da seguinte forma: Os centros de formações se preocupam apenas com um ponto específico a “demanda de mercado”. Demanda de mercado não quer dizer que no final do curso o aluno vai ter fácil empregabilidade, inúmeros fatores determinam a empregabilidade do aluno e uma demanda hoje pode ser diferente daqui a 1 ano.

Então como funciona isso? De tempos em tempos os centros de formações, focam em uma área que exige demanda alta, isso é bom pra que forma, o curso vende assim fecha turma rápido. Claro que eu estou falando de curso de uma duração maior, cursos de uma semana ou um mês o aluno já entra sabendo o que quer. Cursos de um prazo maior seis meses a um ano ou mais, o centro de formação tem mais força em direcionar o aluno. Claro um dos principais motivos de um aluno procurar um curso é ser inserido no mercado de trabalho e no meio de toda essa lei de oferta e procura, os curso da moda(que vendem) tem uma formação elevada de profissionais(ainda assim abaixo que o mercado exige) e as outras áreas que ja tinha uma demanda começam a criar um buraco pela falta de formação de profissionais.

Outro ponto a ser considerado é o colapso da área de TI, na minha formação academica sempre, escutei em dois mil e x o mercado de TI vai sofrer com a falta de profissionais, em dois e x existiram 200 mil vagas esperando profissionais qualificados. Ou seja do mesmo jeito que falta profissional de Flash qualificado, falta Front-End, falta Back-end ou gerente de projeto. Isso é uma realidade antiga da nossa área. Então você que está começando fica a dica sempre é bom ficar ligado em que área seguir.

Deixe uma resposta

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.